Recapeamento asfáltico; avaliações e técnicas

Início » Recapeamento asfáltico; avaliações e técnicas
Recapeamento asfáltico; avaliações e técnicas

A pavimentação asfáltica como tantas outras estruturas, sofre desgastes causados por fenômenos climáticos, ação do tempo e, claro, pela própria rodagem de veículos. Por isso, torna-se necessária, periodicamente, a realização de serviços visando a conservação ou o reparo da malha de asfalto.

Normalmente, antes de qualquer intervenção, faz-se estudo da condição do pavimento, sempre precedido de duas avaliações, uma funcional e outra estrutural. O objetivo das  análises é a coleta de dados da condição da superfície pavimentada para que sejam definidas as opções de restauração apropriadas.

Avaliação funcional no recapeamento asfáltico

É observado se a área de rodagem apresenta trincos, rachaduras, deformações definitivas ou superficiais. Na correção de defeitos funcionais são empregados alguns tipos de revestimento, como lama asfáltica, selagem de trincas e rejuvenescimento, tratamento superficial simples ou duplo, que restaura a aderência superficial, microrrevestimento asfáltico, para minimizar condição abrasiva acentuada, entre outros produtos e técnicas.

Estrutural no recapeamento asfáltico

Em relação à estrutura, observa-se possíveis deflexões na superfície sob carga ou a presença de bacias de deformação. No caso de problemas estruturais, que demandam revestimentos restauradores, as principais técnicas são a reperfilagem utilizando concreto asfáltico tipo massa fina com camada porosa de atrito e o microrrevestimento asfáltico, que tem como função impermeabilizar e absorver tensões.

Se a estrutura do pavimento estiver comprometida, são necessárias soluções no sentido de restabelecer seu estado normal, incorporando-se novas camadas ou tratando das que já existirem. Para recapeamento, são empregados concreto asfáltico e o SMA (Stone Matrix Asphalt).

Técnicas de recapeamento no recapeamento asfáltico

Quando não há problemas estruturais e deseja-se corrigir defeitos funcionais superficiais, podem ser utilizados revestimentos que empregados isoladamente ou combinados e antecedidos ou não por uma remoção de parte do revestimento antigo por fresagem:

■ Lama asfáltica – para selagem de trincas e rejuvenescimento;

■ Tratamento superficial simples ou duplo – para selagem de trincas e restauração da aderência superficial;

■ Microrrevestimento asfáltico a frio ou a quente – para selagem de trincas e restauração da aderência superficial quando há condição de ação abrasiva acentuada do tráfego;

■ Concreto asfáltico – quando o defeito funcional principal é a irregularidade elevada;

■ Mistura do tipo camada porosa de atrito, SMA ou misturas descontínuas – para melhorar a condição de atrito e o escoamento de água superficial. Quando há problemas estruturais no pavimento ou há a perspectiva de aumento de tráfego, as alternativas de restauração ou reforço compreendem aquelas que restabelecem ou incrementam sua capacidade estrutural por meio da incorporação de novas camadas (recapeamento) à estrutura e/ou tratamento de camadas existentes (reciclagem, por exemplo). Os tipos de revestimentos geralmente utilizados como recapeamento são o concreto asfáltico e o SMA (como camada de rolamento para resistir a deformações permanentes em vias de tráfego pesado), entre outros.